Religiosidade e Outras Drogas

Eu já fui um cara temente a Deus. Ou a ideia que eu tinha do que/quem seria Deus. Mais precisamente, eu tinha medo do que poderia me acontecer se eu não fosse temente a Deus. E religião, convenhamos, é basicamente isso: cabresto.

Hoje eu dia, entretanto, estou é cada vez mais intolerante a tudo e qualquer coisa que tenha ligação com religião, principalmente com evangélicos. Eu simplesmente crio  verdadeira aversão a qualquer cidadão que professe sua crença religiosa na minha frente, debocho e ainda faço mil piadinhas sobre o assunto. Tenho 30 anos, mas sou desses e nem tenho vergonha de admitir. Sei que é feio, mas queria que todo evangélico, principalmente aqueles que decidem te converter, fossem pra putaqueopariu bem longe de mim.

Meus pais, por exemplo, fazem parte de uma instituição religiosa. Meu pai bem menos, conseguindo ser até razoável. Mas minha mãe, valha-me Deus (pode usar Deus num post em que eu demonstro minha total aversão a determinados princípios religiosos e até passo uma ligeira impressão de que posso meio que duvidar de sua existência? Mas divago). Minha irritação reside no fato de incluir seu Deus em todas as frases e insistir em dizer que ele está esperando por mim. Tadinho, vai cansar, né? Pega uma revista de variedades pra se distrair nesse meio tempo.

Quando mais novo, dependente dos meus pais, acompanhava-os e até que participei ativamente da vida religiosa. Mas nunca acreditei realmente naquilo. Por isso, muitas vezes me sentia tão inadequado e hipócrita. Por causa de uma crença que não era minha eu estava deixando de ser quem eu era, de viver a minha vida e sufocando meus desejos. Fora que para um gay, enrustido ou não, religião é apenas  mais uma forma de te prender, causando dor e feridas emocionais, já que a máxima de que Deus não nos aceita é o padrão. E não me venham com a balela de que Deus condena o pecado, não o pecador, porque eu já sou grandinho para entender muito bem como funciona o conceito de lavagem cerebral.

Se não acredito em nada? Não sou tão extremista. Pode ser, e isso é apenas uma hipótese, que exista algo superior que eu não sei exatamente o que é. Mas não acredito em NADA da baboseira religiosa baseada na Bíblia como manual de instruções. Pra mim, a Bíblia é apenas um amontoado de ficção desinteressante, como tantas outras que existem por aí. E ficção por ficção eu fico com Harry Potter que acho bem mais interessante.

Dia desses, dentro do vagão do metrô a caminho do trabalho, me peguei prestando atenção na conversa de um homem e uma mulher. Tenho essa péssima mania de, na falta de coisa melhor para fazer, ficar ligado no mundo à minha volta, encarando caras estranhas e ouvindo conversas aleatórias. A pauta era as maravilhas que Deus havia feito na vida da mulher. Segundo ela, Deus se manifestava e era presente em sua vida, lhe aparecendo em sonhos, soprando respostas em seu ouvido e lhe indicando os caminhos que deveria seguir.

-É uma benção, não é? – perguntou a homem.

Esquizofrenia, eu quase respondi. Mas me calei, pois uma coisa eu aprendi: com doido não se discute! Mas que me deu vontade, ah, eu juro por Deus, como deu!

😉

Anúncios

9 Responses to Religiosidade e Outras Drogas

  1. Su disse:

    Esquizofrenia, dois membros. o/
    Não chego a ouvir indicações e tal, mas eu acredito em Deus e gosto de pensar que Ele me acompanha (Salmo 23 é meu favorito).
    Eu não penso nisso de forma racional, porque é fé, não tem que passar pela racionalidade. Ou tem e sair incólume ainda assim, não sei.
    Mas eu fico na minha, afinal, é a minha fé, não tem que ser a de mais ninguém. E entendo a irritação, pois também me irrita essa coisa dos que desejam a qualquer custo converter o mundo. Todo mundo que não frequenta uma igreja sente isso na pele, pois pra esse povo só se pode ser cristão se dentro de um templo.

    De qq forma, não se preocupe, qdo eu estiver no céu, eu rezo por vc, tá amore? (vou pro céu sim senhor, nem venha dizer que não).

  2. Lobo disse:

    Quando eu quero me referir a deus assim, eu geralmente uso letra minúscula.

    Mas assim, minha vibe também anda bastante essa. Sim, eu sei que cada pessoa é uma pessoa, e eu não posso julgar uma pessoa pela sua crença, e blá blá blá. Mas quem disse que eu consigo? Já frita meus nervos logo.

    • Autor disse:

      Acredita que comecei a escrever o post e tinha escrito assim, em minúsculo. Mas não gosto de minúsculas e olhava pra deus achando que tava errado.
      (olhar pra deus fez-me sentir um tanto quanto… esquizofrênico, hahahaha)
      Dae botei maiúsculo mesmo, porque sou assim rs

  3. Júlio César Vanelis disse:

    Esquizofrenia… MUITO BOA… hahahahaha
    VC tem uma visão muito parecida com a minha… Mas eu não tenho aversão à religião dos evangélicos… Acho que tem gente que precisa disso, sabe? De um parâmetro de vida. O que eu não gosto é dos evangélicos, católicos e qq representante de qq outra religião que olham pra nós com com ar de reprovação e vivem se metetendo e julgando nossa vida… Isso pra mim, além de ser errado, é uma falta de educação sem precedentes…

    Abraço, Autor! Até

  4. Foxx disse:

    também caminho por este mesmo caminho q vc, kda vez mais intolerante.

  5. Alex M. disse:

    Bem, vou inaugurar a divergência nesta lista de comentarios, acho.

    Já passei pela fase de carneirinho, seguindo o que me impunham, mesmo sem acreditar. Depois vivi a fase de rebeldia, mas nunca cheguei a ser descrente. Depois entendi que minha descrença e rebeldia era, e continua sendo, em relação às instituições, às igrejas, aos homens que cuidam disso.
    Religião pode ser, e frequentemente é, um ópio na vida da maioria das pessoas.
    Mas, dependendo de cada um, pode ser também um bálsamo. Não a religião, mas a fé, a crença individual, vivida por cada um para si, desde que vivida de maneira privada, só pra você, como eu faço. Não sou fanático, não procuro converter ninguém, mas creio em algo além da minha inteligência.
    Se existe? Não posso lhe garantir. Minha experiência nesse ramo é bem pouca. Mas gosto de ter minha fé, me faz bem, me ajuda a viver.
    Principalmente depois que aprendi que posso ter fé e fazer tudo que me dá vontade. Que as coisas não são (na minha visão, claro) aquela eterna ameaça que as religiões fazem com os fiéis seguidores.
    Ninguém ganha ninguém, verdadeiramente, pela ameaça.
    E quem realmente acredita em algo além, a primeira coisa que faz é respeitar o outro como (deveria) respeitar a si mesmo. Se não fazem isso, não me venham falar em religião…

    Talvez por ter me aceitado gay muito tarde, essa questão do conflito com a religião nunca tenha sido vivida, pois quando me assumi, quando me dei conta, já entendia a crença e a fé de uma outra forma, longe das religiões formais e abusadoras.

    Ou, talvez, me ocorre, se tivesse evoluído antes, talvez tivesse me aceitado muito antes. E, aqui, faço um ponto de retorno ao seu texto. Se é pra você viver melhor e se aceitar mais, melhor assim do que um carneirinho submisso e vivendo uma vida falsa que não é a sua!

    Só me cabe dizer uma coisa: parabéns pela opinião sincera!

    Ah, sou totalmente intolerante em relação a qualquer xiitismo, seja de que área for. Gente que tenta me converter, então…

  6. NFL disse:

    Minha opinião a respeito de crenças religiosas é a mesma, mas evito polemizar com os crentes a respeito, já que, para muitos, a religião serve para preencher certas necessidades emocionais, e se veriam completamente desarmadas em sua visão de mundo sem esta muleta religiosa.

  7. Gustavo disse:

    Não se trata de julgar ninguém “Autor”, aliás, devo dizer que admiro de verdade pessoas como você, só que sim, eu complico as coisas e estou me esforçando para mudar este meu jeito.

    Não quero mais perder oportunidades de estar com alguém por complicar de mais as coisas, como já aconteceu trocentas vezes.

    DE verdade, fico muito feliz por ti e lhe desejo muitas felicidades, não só neste ano mais sempre. Quando vejo pessoas livres e realizadas como você, me encho de esperanças e me sinto feliz também. Sim, prometo que me permitirei mais, eu preciso disso e me fará muito bem.

    Pode comentar sempre que quiser querido, suas palavras serão sempre muito bem vindas, pode ter certeza disso.

  8. infelizmente esta corja evangélica esta fazendo com que o verdadeiro deus que existe dentro de nós deixe de existir
    porque este deus deles, eu não quero pra mim!

    beijos meu amigo lindo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: