Paixões Europeias

Eis que minhas férias na Europa foram maravilhosas, como eu sempre soube que seriam. Paris e Londres são belíssimas, os pontos turísticos são tudo que se falam deles, mas eu não sou lá uma pessoa muito turística. Para mim, basta ver uma vez a Torre Eiffel e tá ótimo. Vi o Big Ben? Beleza! Acho lindo, tiro fotos, mas chega né? Única excessão é a Champs-Élysées, porque aquilo é uma tentação para se fazer compras e ver coisas que ainda nem chegaram ao Brasil. Futilidade, a gente vê por aqui!

Mas, o que eu realmente tenho de falar é sobre os homens! Só uma palavra para definir os homens que conheci nesses 17 dias de férias: putaqueopariu! Franceses e ingleses são lindos. Fato! Fora os turistas que esbarrei pelo meio do caminho. Andar de metrô em Paris e Londres é motivo para se apaixonar umas 5 vezes em cada estação. Entretanto, entre os caras que conheci e fiquei durante esses dias, dois foram, sem sombra de dúvidas, os mais marcantes e que me arrancaram mais suspiros.

O Italiano

Um pub no Le Marais, primeiro dia do ano. Música pop, shower boys (sim, me choquei com isso lá!), meu amigo e eu animados, curtindo a noite. Nesse meio tempo eu o vi. Ou ele me viu, não sei bem precisar. Lindo, com uma amiga e um amigo, olhava para nós e sorria. Estávamos próximos e eu achei ter ouvido ele falando em português ou algo semelhante a português. Comentei com meu amigo, começamos a rir e a dançar, quando a amiga dele se aproximou para dançar conosco. Claro que ele e o amigo vieram à tiracolo. Acharam que fôssemos italianos, pois, segundo eles, falávamos alto e com as mãos, como eles. Rimos e, quando o amigo deles se despediu, ficamos os quatro dançando e conversando.

Luigi era seu nome. 27 anos, professor em Florença e com um namorado na Itália. Mas ele falava comigo botando a mão na minha cintura, os lábios sempre tocando minha orelha quando vinha cochichar algo. O inglês-italiano dele encontrando barreiras com o meu inglês-português, o que gerava muitas, muitas gargalhadas.

Até que não deu mais e um beijo foi inevitável. Um beijo demorado, quente, visceral, aplaudido por Cassandra (sua amiga) e por meu amigo. Uma paixão arrebatadora que durou um pouco mais do que aquela noite.

Hoje, ele está na Itália e eu estou no Brasil. No Facebook (bendita rede social) ele faz parte da minha lista de amigos e me garante gargalhadas em papos surreais. E ganhei uma alcunha bonitinha: my brazilian boyfriend.

Então tá então!

O Francês

Porque sim, eu sou incoerente. Apesar de ter ficado com franceses, durante toda a minha estadia na França minha maior ‘paixão’ foi um italiano.  Mas eis que vou para Londres e quem é que fica na minha mente? Um francezinho de 21 anos, a coisa mais linda que eu encontrei.

Cheguei em Londres doente. Os graus negativos de Paris e os mil choques térmicos (na rua um frio de lascar, nos lugares fechados, por causa da calefação, um calorzinho gostoso, convidativo. Um tira e bota de roupa de frio do cão.) me garantiram uma infecção a garganta, com direito a febre e dores no corpo, que só queria cama. Mas eu estava em Londres, né? Então, vai pra rua, faz turismo, pega chuva (maldita chuva londrina!) e volta pro hostel moído de cansaço e com febre.

Foi no segundo dia que eu o vi. Sentados na área comum do hostel, não tinha como olhar para outra pessoa a não ser para ele. Loirinho, olhos verdes, cara de moleque travesso, distraído com seu laptop no sofá bem ao lado ao que eu estava sentado com minha amiga. Eu queria, eu precisava falar com ele e por isso criei um motivo: perguntei se o wi-fi do hostel já estava funcionando, já que no dia anterior não estava. Com um inglês sofrível, ele me disse que não, que a previsão era para o dia seguinte. Foi quando minha amiga e eu começamos a conjecturar, em português, de onde ele seria, pois com aquele inglês, da Inglaterra certamente é que não era.

Minha amiga foi pro nosso quarto e eu, apesar da febre, fiquei um pouco mais, assistindo aos clipes do programa que passava na televisão. Ele imediatamente trocou de lugar e se sentou ao meu lado, puxando conversa. Em pouco tempo descobri seu nome – Florian – e que era francês, de mudança para Londres para ficar 06 meses estudando inglês. Apesar dos 21 anos, tinha terminado a faculdade de biologia, mas ainda não sabia o que faria da vida. Um fofo, lindo, com um sorriso que iluminava toda a sala onde estávamos. Meia hora depois meu amigo chegou, os apresentei, e, cansados que estávamos, fomos nos deitar. No caminho, meu amigo foi direto: Ele tava te olhando com uma cara! Vai pegar quando?

Dia seguinte, café da manhã, eu numa mesa com outras duas brasileiras que conheci no hostel e ele chega, cantando e dançando, fazendo uma brincadeira com uma famosa música da Lady Gaga e o meu nome (incrível como todos faziam a mesma brincadeira, apesar de eu não ter o nome da música). Depois do café, a caminho de nossos quartos, ele foi direto:

-Are you gay? – me perguntou.
-Of course. The world is! – eu disse.
-Thank you, God! – ele falou rindo.

E nada rolou entre nós. Nada. Apesar de todas as possibilidades, eu estava doente, com febre. No mesmo Facebook, entretanto, ele é sempre direto e diz que perdemos uma oportunidade única. Que desde que me viu naquela sala não conseguiu me tirar da cabeça. Mas, fizemos uma promessa simples e objetiva um para o outro:

See you around the world!

Além de eu ter tentado traduzir pra ele, para o inglês, um poema de Paulo Setúbal muito bonitinho:

De todos que me abraçaram,
De todos que me beijaram
Já não me lembro, nem sei.
São tantos os que me amaram
São tantos os que eu amei…
Mas tu – que rude contraste!
Tu, que jamais me beijaste,
Tu, que jamais abracei
Só tu em minh’alma ficaste
De todos os que eu amei…

Agora me resta esperar pela próxima viagem, pelas próximas paixões. Se tudo der certo, ainda esse ano me aventuro novamente pelo mundo. Os destinos? Barcelona, Berlim, Amsterdã e Roma.

Porque a vida é curta, mas os amores podem ser muitos!

See ya, folks!

OBS: Sim, as fotos são reais. E sim, eu sei que vcs vão preferir o Luigi. rs

Leste, oeste, norte, sul, onde o homem se situa
Quando o sol sobre o azul, ou quando no mar a lua
Não buscaria conforto, nem juntaria dinheiro
Um amor em cada porto, ah se eu fosse marinheiro..
Maresia (Adriana Calcanhoto)

Anúncios

19 Responses to Paixões Europeias

  1. A essas paixões de viagens…

    E eu já disse que adoro pessoas de 21 anos super diretas. As melhores

  2. tudo isso pra dizer que voltou com a pica esfolada né?
    hahahahahahaha

  3. ok, intenso.

    afinal, vc nem beijou o carinha. adoro usar a palavra carinha.

    e tem um toque de comer rezar amar. hahaha
    esperando a parte do rezar e do amar. vai ter, né? né?

  4. Daniel Braga disse:

    Cara, eu viajei lendo esse post! Parecia até que eu estava lá contigo. Adorei mesmo. E penso como você. Espero um dia poder ter as mesmas oportunidades.

    ~Até a próxima! See ya.

    *DB*

  5. in.Constante disse:

    Ei, a proposta sobre o namorado italiano de seu namorado italiano (eita confusão!) continua de pé, tá? =D
    Xêrinho!

  6. sabe o que é? vc não presta mesmo!

    auhauhuahuauauauauaha

    retiro a palavra carinha.

  7. Daniel Braga disse:

    Oh, My Fucking God! Quero um Luigi pra mim, comofaz?

    *DB*

  8. Carla Gomes disse:

    Que coisa mais frustrante essa segunda história.. Td bem que acho que prefiro o italiano.. mas fico feliz em saber que aproveitou sua viagem, sem preconceito étnico ^^

  9. Lobo disse:

    Depois as pessoas perguntam porque viajar vicia XD

    Beijos doido!

  10. Leo disse:

    Cara, como alguém que já morou em Lisboa, Londres e agora mora na Alemanha, eu digo que não há homem como o brasileiro!
    Os europeus são lindos! Fato! E estilosos… vontade de pegar todos na rua! De policiais a motoristas de ônibus! Mas falta algo…
    Isso de vc não pegar o francês é o que mais acontece! Eles, de uma forma geral, não tem iniciativa NENHUMA! Os italianos são provavelmente os mais saidinhos….
    Já fiquei com franceses, ingleses, italianos, alemães, porugueses, espanhóis, eslovacos, indianos, irlandeses, americanos, georgianos e sei lá mais o que!
    Só o que tenho a dizer é: QUE SAUDADES DO MEU RIO DE JANEIRO!
    Não vejo a hora de chegar e pegar uns homens de verdade! 😀

  11. Ro Fers disse:

    Caraca, que férias perfeitas… Realmente o Luigi é bem gato, bem da hora…
    Pena que tu estava doente, e certissimo, a vida é curta, e os amores são muitos, portanto divirta-se sempre…
    Forte abraço!

  12. Foxx disse:

    é, os meus amores de viagens foram todos blogayros
    =D

  13. Warehouser disse:

    Espero, sinceramente, que tenha sido nas suas. XD

  14. Caju disse:

    Me leva na sua mochila na próxima vez?

  15. Carlos disse:

    Na faculdade me surpreendi com um descendente de italianos super lindo que não parava de olhar para mim, dava a maior bola. E ele era super machão (eu sou nordestino típico – alto, mulato, mistura de português e africano). Realmente, se você estava de mau humor e olhava para aquela criatura ganhava o dia. Imagino o que você deve ter passado aí no velho continente…

    Os europeus são lindos mas acho que falta neles a faísca e o tempero que os brasileiros tem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: